O Vampirinho

de Emílio Carlos

Era uma vez um menino muito travesso chamado Josuan. Josuan aprontava todas na escola e em casa. Se tinha travessura ele estava metido nela.
Um dia Josuan teve uma ideia: se vestir de vampiro e assustar todo mundo. Pegou a fantasia de vampiro do Carnaval, passou um creme branco no rosto e com o batom vermelho da mãe dele fez dois riscos nos cantos da boca, como se fosse sangue escorrendo.
Sua primeira vítima foi a irmã menor. Ali no corredor mesmo ele lhe deu um baita susto e a coitada saiu chorando de medo. Josuan deu um riso macabro e foi pra rua assustar as pessoas.
Já era noite quando Josuan se escondeu num beco perto da sua casa. E ficou ali quietinho nas sombras esperando uma vítima passar.
Lá longe vinha a Dona Clotilde carregando as compras que fez no mercadozinho do bairro. Josuan a viu, esfregou as mãos e disse: - Oba!
Daí ficou bem quietinho esperando a Dona Clotilde passar. Quando ela chegou bem perto do beco Josuan saltou assustadoramente na frente dela e gritou:
- Vampiro!!
A pobre velhinha deu um grito de susto, jogou as compras para o alto e saiu correndo com medo. E o Josuan riu e riu enquanto os pacotes da Dona Clotilde se espatifavam no chão.
Logo depois apareceu uma menina chamada Maria Rita, que morava na rua de trás. Ela tinha ido fazer um trabalho escolar na casa de uma amiga e voltava para casa tranquilamente carregando seus dois cadernos e dois livros.
Ao vê-la Josuan deu um sorriso desses que ele dava quando ia aprontar alguma. E se escondeu de novo esperando a menina passar.
Foi só a Maria Rita chegar perto do beco que o Josuan pulou na frente dela e deu um grito pavoroso:
- Uaaaaahhhhh!
A pobre menina levou um susto tão grande que jogou os livros e cadernos para o alto e saiu correndo gritando:
- Manhêêêêê!
O Josuan ria às gargalhadas com o susto que a menina levou. Ria de rolar no chão o malvado.
- Como é boba! Como é boba! – repetia ele rindo a valer.
Josuan teve que se controlar porque ouviu passos. Era um homem vestido com roupas escuras que caminhava lentamente pela noite.
O menino já imaginava o susto que ia dar no homem. E se escondeu de novo nas sombras.
O homem misterioso se aproximou do beco. Josuan pulou na sua frente e gritou:
- Vampiro!!!
O homem ficou ali parado sem esboçar reacção alguma. Ficou ali só olhando para o menino. Josuan, que não esperava aquela reacção, tentou de novo, mais forte ainda:
- Vampiro!!!!
O homem sorriu misteriosamente e disse:
- Que bom! Eu também sou vampiro!
Nesse instante a lua iluminou seus dentes de vampiro. Josuan levou um baita susto e pôs-se a correr.
- Volte aqui! – dizia o estranho correndo atrás do Josuan.
Foi um corre-corre danado. Até que Josuan finalmente conseguiu voltar pra casa e fechar a porta atrás dele. Olhou pela janela e viu o estranho parado no portão. Josuan engoliu em seco. Olhou de novo e viu o homem acenando para ele, virando-se e indo embora.
O Josuan estava desesperado. Nunca tinha visto nada igual. Chorava de medo e jurou nunca mais aprontar nada nem dar susto em ninguém.
E enquanto isso o estranho continuou a caminhar na direção de um clube onde acontecia naquela noite uma festa de halloween. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários passam pela moderação antes de serem publicados.