A Aventura da Gotinha

 

 

A Aventura da Gotinha


de Emílio Carlos

Era uma vez uma gotinha chamada Melissa que morava num lindo lago azul.
Todos os dias Melissa brincava com seus amigos e amigas no lago. Brincava de pega-pega, de cabra-cega, de pula-pula e até de esconde-esconde.
Brincava e brincava até não poder mais. Depois dormia, que gotinha também precisa descansar.
O dia da grande aventura da gotinha começou como outro qualquer. Melissa acordou com os primeiros raios de sol e já foi brincar com as amigas.
Mas esse dia estava um pouco diferente. O sol nasceu bonito mas já quente. Mais quente que o normal. E conforme as gotinhas foram brincando foi ficando quente, quente, cada vez mais quente.
As gotinhas foram ficando meio cansadas, de tanto calor. Até pararam um pouco de brincar pra descansar. E o sol, brilhando lá em cima, esquentou mais ainda.
-         Que calor, né? – disse Melissa Gotinha.
-         Nem me fale, viu? – respondeu Maria Gotinha, sua melhor amiga.
De repente Melissa se sentiu meio esquisita. De tanto calor parecia que ela estava flutuando. E estava mesmo!
Olhou em volta e viu outras gotinhas flutuando logo acima do lago. Lá estavam a Maria Gotinha, o Antonio Gota e o Zé Gotão. As gotinhas flutuavam pelo ar e iam subindo, subindo, subindo, cada vez mais alto.
Melissa deu uma boa olhada lá pra cima e viu uma nuvem um pouco cinza logo acima deles.
-         Acho que é pra lá que a gente vai – disse Melissa Gotinha.
-         Que aventuraaaa! – exclamou Maria Gotinha.
-         Radical! – disse Antonio Gota levantando os braços como se fosse o super-gota.
Quando chegaram na nuvem viram que ali tinha mais um monte de gotinhas como eles. Melissa olhou lá pra baixo e viu o lago em que morava e uma paisagem linda em volta dele.
-         É isso? Será que acabou a viagem? – perguntou Maria Gotinha.
-         É. Acho que agora a gente vai morar aqui – respondeu Melissa.
De repente eles ouviram um barulho. Era uma voz bem alta que dizia assim:
-         Me deixe passar!
Melissa se assustou e todas as gotinhas da nuvem também.
-         Saia da frente! – disse a vozona bem alto.
Melissa deu uma boa olhada para fora da nuvem e viu outra nuvem cinza, carregada de gotinhas.
-         Não saio não! Passe de lado! – respondeu a nuvem em que Melissa estava.
-         Saia! – retrucou a outra nuvem.
-         Não saio! – respondeu a nuvem da Melissa.
De dentro da nuvem Melissa disse:
-         É só pedir licença.
Mas parece que as nuvens não ouviram. Porque nesse instante elas disseram:
-         Ah é?
-         É.
-         Então toma!
E bateram uma contra a outra forte, mas tão forte, que até saiu um raio de raiva e se ouviu um barulho imenso.
As gotinhas taparam os ouvidos com medo. E as nuvens continuaram brigando. Quando bateram pela segunda vez muitas gotinhas das duas nuvens perderam o equilíbrio e caíram chovendo em direção a terra.
Melissa só olhava de lá de cima aquele espetáculo. Foi bem na beiradinha junto com seus amigos pra olhar. E nessa hora as nuvens bateram de novo. Eles perderam o equilíbrio e caíram também.
-         Vamos lá! – exclamou Melissa.
-         Uau! – disse Maria Gotinha.
-         Super-gota! – disse Antonio Gota voando pra terra.
O vento chegou para brincar e soprou as gotinhas bem forte. Tão forte que elas caíram de volta no lago onde moravam. Teve gotinha que nessa hora prendeu a respiração segurando o nariz. Teve gotinha que fechou os olhos. E teve gotinha que caiu de poupança no lago dizendo:
-         Sai debaixo!
E o mais incrível é que vieram gotinhas novas para morar no lago. Gotinhas grandes e pequenas, magras e fofinhas, crianças e adultas. E quando a chuva terminou Melissa disse assim:
- Que legal! Agora tem mais gente pra brincar! Viva!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários passam pela moderação antes de serem publicados.